Psicossíntese na Terapia

É de sublinhar que o termo terapia, proveniente do grego therapeo, significa originariamente ajudar e honrar. Sócrates utiliza o termo therapeia referente ao culto prestado às divindades. Na filosofia oriental utiliza-se a saudação namasté para reverenciar o divino presente no humano. O verdadeiro terapeuta intervém no agir, sem jamais perder de vista a essência do ser que é e do ser ou seres com quem lida. A sanidade e não a patologia constitui o fulcro da sua intervenção. O sujeito, mais que os predicados está no centro da sua atenção. Assagioli esclarece: “Muito embora a psicossíntese possa ser considerada uma síntese de várias terapias e métodos de educação, importa ter em conta a sua originalidade enquanto baseada no núcleo que forma a sua essência.” Ele vê no ser humano “um organismo fundamentalmente são, embora temporariamente possa funcionar mal.” Isso o leva a considerar que “o valor moral e intelectual da personalidade permanece, independentemente dos sintomas patológicos que a possam atingir.”

 

Psicossíntese na Educação

Para além da pedagogia baseada no apoio do adulto que conduz uma criança (No grego pais-paidós, criança e agogos, guia), a educologia consiste em detectar e fomentar em cada qual (indivíduo ou grupo) a consciência de si mesmo e a expressão do seu potencial (No latim, educere, isto é expressar o potencial interior), no contexto da capacidade e meios que proporcionem a auto-determinação progressiva. No dizer de Assagioli, trata-se de “um método do desenvolvimento de si mesmo, de realização psicológica e espiritual para todos os que recusam continuar a ser escravos das suas fixações infantis, dos seus complexos, das suas inibições, das suas limitações ou das influências externas, desejando vir a ser mestres de si próprios e agir de maneira positiva no mundo.”